Eduardo Agostini, diretor de Desenvolvimento de Negócios da Planisa, foi um dos palestrantes do Fórum de Inovação em Gestão de Saúde – FIGS, uma iniciativa do Instituto de Gestão e Humanização (IGH), que ocorreu nos dias 26 e 27 de agosto 2021, em formato digital.

O tema central do fórum foi “A Curva de aprendizado entre Público Privado – Um Futuro de cooperação e colaboração no setor”, cujo objetivo foi trazer a discussão da temática sob um novo prisma, o da administração de recursos, de pessoas, da qualidade e da entrega de valor em saúde.

Agostini foi um dos palestrantes no Talk Show “Recursos Limitados e Eficiência no Modelo de OSS”, junto com Tiago Velloso, diretor-geral do CEJAM Rio de Janeiro; e Mário Monteiro, superintendente da SPDM/PAIS; com a moderação de Mauricio Dias, sócio-diretor da CONDIAS.

Durante sua fala, Agostini abordou sobre a eficiência das organizações sociais, que foram fundamentais durante a pandemia ao promover celeridade. “Ter uma organização social é importante, pois possibilita a abertura de hospitais de maneira rápida”, diz o diretor, e completa que o Estado deve migrar do papel de fazedor para um estado contratador e regulador. “O estado deve se qualificar cada vez mais para contratar bem, saber o que está encomendado e ter as ferramentas regulatórias e de acompanhamento e transparência”.

Em seguida, Agostini fez um comparativo de custos mostrou como é importante dimensionar os recursos necessários para não ter problemas com os custos fixos. “Os custos fixos podem se tornar um vilão quando falta paciente ou quando dimensionamos de maneira inadequada os recursos para serem disponibilizados para o público em geral”, finaliza o diretor.