O impacto da tecnologia em nossas vidas avança em grandes ondas, cada vez mais frequentes e, principalmente, mais intensas. E o mesmo acontece na área da saúde.

Com a informatização crescente, geramos cada vez mais dados e informações sobre pacientes, tratamentos, diagnósticos e todo o fluxo da cadeia. Este volume exponencial de dados e a necessidade de informações estratégicas cada vez mais instantâneas têm trazido novos desafios tecnológicos.

O Big Data, através da computação em nuvem, vem em resposta a estes desafios, preparado para armazenar e analisar estas informações, muitas vezes fragmentadas, de forma ágil, objetiva e segura.

O cruzamento dessas informações e análises de negócio já faz parte do dia-a-dia de várias instituições de saúde, e os próximos desafios estão justamente em extrair o maior proveito desses dados, de forma cada vez mais automatizada.

A Inteligência Artificial, através da análise estatística, tem como principal objetivo extrair esse conhecimento potencial que existe dentro de todo este mar de informações desestruturadas, de maneira cada vez mais precisa e automática. Este tipo de tecnologia tem a capacidade de se adaptar e aprender conforme novas informações entram neste ciclo de análise.

As aplicações em Inteligência Artificial são as mais variadas, por exemplo: Análise de imagens de diagnóstico para gerar um percentual prévio de chance do paciente desenvolver determinada doença; Atendimento de dúvidas e agendamento “online” que reconheça a fala ou escrita do paciente para sanar os questionamentos mais recorrentes; Avaliação de efetividade de tratamento com base nas informações de histórico clínicos realizados anteriormente; Suporte aos processos internos das instituições.

De forma estratégica, um dos maiores ganhos na aplicação deste tipo de tecnologia está na redução de custos operacionais, uma vez que a Inteligência Artificial é plenamente capaz de auxiliar em atividades corriqueiras. Assim, libera-se cada vez mais o esforço humano para focar em áreas como a atenção ao paciente, na melhoria contínua de processos internos e maior efetividade na real gestão de cada área.

Por fim, nossa missão enquanto profissionais da área da saúde é tirar cada vez mais proveito dessas ferramentas tecnológicas que a Inteligência Artificial pode nos prover, e assim, buscar o bem-estar dos paciente e das instituições de forma cada vez mais eficiente e efetiva.

 

Autor:  Gustavo Ehrhardt – Planisa

Co-autor: Paulo Sergio Nishimura Milan – Diretor de Operações Planisa